27 fevereiro 2015

TRILOGIA DIVERGENTE ~ Veronica Roth



A história se passa em uma Chicago futurista, tendo uma sociedade dividida em cinco facções: Abnegação (considerados altruístas e justos), Amizade (facção que considerava a agressividade mãe dos males da sociedade moderna), Audácia (corajosos, destemidos e prontos para qualquer tipo de luta), Franqueza (honestos e diretos na forma de falar) e Erudição (cultos... responsáveis pelo desenvolvimento cientifico da sociedade).

“Há décadas nossos antepassados perceberam que a culpa por um mundo em guerra não poderia ser atribuída à ideologia política, à crença religiosa, à raça ou ao nacionalismo. Eles concluíram, no entanto, que a culpa estava na personalidade humana, na inclinação humana para o mal, seja qual for sua forma. Dividiram-se em facções que procuravam erradicar essas qualidades que acreditavam ser responsáveis pela desordem no mundo.”
No primeiro livro, Divergente, vamos conhecer Beatrice Prior e sua família, da facção dos Abnegados. Beatrice está de preparando para o teste de aptidão que os jovens de 16 anos completos são ‘convidados’ a fazer.

Nesse teste, eles executam atividades que os ajudarão a escolher a facção a que pertencem, podendo ficar em sua facção de origem ou seguir para outra.

Durante os testes de Beatrice, a examinadora Tori,  percebe que ela tem aptidão para 3 facções: Abnegação, Audácia e Erudição. Algo incomum e perigoso, porque a sociedade não precisava de Divergentes (nome dado a quem tem os exames inconclusos para a escolha de uma única facção).

Beatrice faz sua escolha! No dia da cerimonia, ela passa a pertencer aos Audaciosos e muda seu nome para Tris. Seu irmão Caleb, vai para a facção dos Eruditos.

Depois da cerimônia o período de iniciação começa. Todos os novos membros são treinados para pertencer a facção escolhida. Somente os que chegam até o final do exaustivo treinamento são convidados a ficar. Os que não passam nos testes são expulsos, os chamados sem-facção, obrigados a viver na pobreza, como mendigos, os considerados pela sociedade, invisíveis.

O primeiro livro flui rapidamente, vamos conhecendo melhor as facções, o significados dos Divergentes, o treinador de Tris, Quatro, sua melhor amiga Christina e os colegas de treino Will, Uriah, Peter, Al, Zeke e Marlene.

No segundo livro Insurgente, Tris e Tobias (Quatro) vão tentar descobrir o que há de errado com a administração das facções.

Não há mais a crença de que o mundo funcione em harmonia e Tris passa por inúmeras dificuldades emocionais e físicas, depois de descobrir que o que acreditava como real é na verdade bem fantasioso e problemático.

As dificuldades com as facções os levam a buscar refúgio na única facção que se manteve a uma considerável distância, a facção da Amizade. De lá os divergentes traçam as estratégias e alianças para libertar o mundo das regras impostas, por quem eles ainda não sabem.

Contaria mais, todavia com risco de me antecipar na história para quem ainda não leu, paro por aqui.

O último livro da trilogia, Convergente, continua a saga de Tris, Tobias e amigos para salvar as facções, ou o que resta delas. A saída é se aventurar fora dos muros das facções e descobrir o que há por trás das cercas.

O que eles não esperam é o que se confirma: há um mundo fora de seu mundo, e somente o conhecimento desde é capaz de dar as respostas ao caos instalado.

E para surpresa deles, há uma outra divisão, fora as 5 facções. A divisão entre os Divergentes e os Geneticamente Puros. 

Um ponto fraco desse livro é que Tobias me pareceu perder parte de sua característica de guerreiro e sendo ele meu personagem favorito, fiquei chateada, com o rumo do personagem.

Para quem gosta de trilogias, vale a pena ler!!!



26 fevereiro 2015

10 sinais de que você AMA os livros

Sim são muitos os sintomas, mas o fato é que para escrever é melhor usar da experiência e ficar com o que comprovado por quem vivência esse afeto.

Se você tem 7 dos 10 sinais você definitivamente AMA os livros e não vive bem sem eles.

Se você tem 5 dos 10 sinais você AMA os livros mas não sofre de dependência, tipo todo mês tem que ler algo novo/ usado/ emprestado…

Se você tem 3 dos 10 sinais você aprecia os livros, mas vive perfeitamente sem eles.

Então vamos a lista!!!

1. Você interage com os personagens do livro? Fala com eles em voz alta? Se chateia quando um personagem morre e até chora?

2. Dia de chuva, dia de sol, nevando, feriado… você sempre tem um livro por perto?

3. Ir na livraria e voltar sem um livro novo é uma tortura?

4. Sempre que você começa um projeto novo, você compra e lê 'milhões de livros' sobre o assunto?

5. Quando as pessoas lhe procuram para uma conversa, um conselho, você tem uma fila de livros na cabeça e se controla para não indicar?

6. Quando você vai de férias, na sua mala tem um lugar garantido para os livros?

7. Televisão é legal, mas os livros são melhores?

8. Quando uma pessoa lê um livro indicado por você, sua fé na humanidade é restaurada?

9. Você ama o cheiro de livro novo e porque não de livro velho também?

10. E quando você vai dormir, tem sempre um livro por perto, para o caso de não ter sono?

Esqueci algum 'sinal'? fique livre de completar minha lista. Até breve, vou terminar de ler um capítulo…

Claudia McClure

23 fevereiro 2015

Manoel de Barros

O menino que carregava água na peneira
Tenho um livro sobre águas e meninos.
 Gostei mais de um menino
 que carregava água na peneira.
A mãe disse que carregar água na peneira
 era o mesmo que roubar um vento e 
sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.
A mãe disse que era o mesmo
 que catar espinhos na água. 
O mesmo que criar peixes no bolso. O menino era ligado em despropósitos.
 Quis montar os alicerces
 de uma casa sobre orvalhos.
A mãe reparou que o menino 
gostava mais do vazio, do que do cheio.
 Falava que vazios são maiores e até infinitos. Com o tempo aquele menino 
que era cismado e esquisito,
 porque gostava de carregar água na peneira. Com o tempo descobriu que
 escrever seria o mesmo
 que carregar água na peneira.
No escrever o menino viu
 que era capaz de ser noviça, 
monge ou mendigo ao mesmo tempo. O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
 E começou a fazer peraltagens.
Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.
 O menino fazia prodígios.
 Até fez uma pedra dar flor. A mãe reparava o menino com ternura. 
A mãe falou: Meu filho você vai ser poeta!
 Você vai carregar água na peneira a vida toda.Você vai encher os vazios
 com as suas peraltagens,
 e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos!

Adélia Prado

A experiência amorosa exige sacrifício. Não se ama para ser recompensado. O amor é sua própria recompensa. Não resisto em citar Drummond falando da poesia coisa parecida: “Poesia, o perfume que exalas é tua justificação”. 


Não há amor fácil, mas todo amor é maravilha, saúde, “remédio contra a loucura”, coisa que Guimarães Rosa ensinou. É a experiência humana mais exigente; não é contrato, troca de favores, investimento, é entrega e compromisso. Do “sacrifício”de amar nasce a mais perfeita alegria. Ninguém faz cara feia quando se sacrifica por amor. Não se trata de anulação, subserviência de quem ama, trata-se da morte do ego, tarefa a ser feita até o último suspiro.


Sobre Adélia Prado:

Escritora e poeta mineira de Divinópolis. Sua obra recria com uma linguagem despojada e direta, frequentemente lírica, o cotidiano das coisas simples. No início dos anos 70, publica seus primeiros poemas em jornais de sua cidade e de Belo Horizonte. Em 1971 divide com Lázaro Barreto a autoria do livro A Lapinha de Jesus. Sua estréia individual acontece em 1976, com Bagagem, livro que chama a atenção da crítica pela originalidade e pelo estilo. 
"Adélia é lírica, bíblica, existencial, faz poesia como faz bom tempo: esta é a lei, não dos homens, mas de Deus. Adélia é fogo, fogo de Deus em Divinópolis."

20 fevereiro 2015

TRILOGIA JOGOS VORAZES ~ Suzanne Collins

O primeiro livro da trilogia: JOGOS VORAZES ~ SUZANNE COLLINS

Após o fim da América do Norte, uma nova nação, formada por 12 distritos, surge,  a chamada Panem.

Para lembrar os habitantes de Panem, quem controla o país, todos os anos a Capital prepara uma competição, onde somente um dos participantes sobrevive. 

Os jogos Vorazes é uma forma de celebrar a vitória de Panem sobre o antigo distrito 13, dizimado na guerra.

A escolha dos participantes dos jogos é feita, através de um sorteio nos 11 distritos, a Capital não participa. Os representantes sorteados (jovens de 12 a 18 anos), um do sexo masculino e outro do sexo feminino, vão para a Capital, onde são preparados com roupas, boa comida, treinamento e um técnico para acompanha-los durante os jogos.

Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, nossa protagonista Katniss Everdeen se oferece para participar em seu lugar. 

Vinda do empobrecido Distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, que ajudou sua família no passado, é o outro selecionado do Distrito 12. O vencedor, dos jogos vorazes terá fama e fortuna e os perdedores morrem. 

Assim…‘Que as probabilidades esteja a seu favor’.


O segundo livro da trilogia: EM CHAMAS ~ SUZANNE COLLINS

Depois de terminar Jogos Vorazes (Hunger Games), não há como não querer dar continuidade a leitura de Em Chamas (Catching Fire).

Contra as probabilidades, Katniss Everdeen vence o anual Jogos Vorazes com seu companheiro de distrito, Peeta Mellark. Mas foi uma vitória conquistada com decisão e sacrifício e a Capital, na pessoa do Presidente Snow, acostumado a um só ganhador, se sentiu desafiado.

Katniss e Peeta embora de volta ao Distrito 12, vivendo na luxuosa Vila dos Vencedores, não se sentem seguros. Há rumores de rebelião em outros distritos, e Katniss e Peeta, são os rostos da rebelião.

A Capital, está incomodada com a influência de Katniss e Peeta, transformados em ídolos nacionais. E os planos são de mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente em uma nova arena.

Suzanne Collins, desenvolveu bem a trama nesse segundo livro. A história flui ágil e emotiva. Vale cada página.


O livro final da trilogia: MOCKINGJAY ~ SUZANNE COLLINS

Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para a morte, Katniss vive outra forma de luta. A luta pela liberdade!

Organizados pelo lendário Distrito 13, os distritos começam a resistência contra a Capital. É a hora da revolução.

A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde.



11 fevereiro 2015

O TREM DOS ÓRFÃOS ~ Christina Baker Kline

Tudo começa com a ‘chance de um novo dia’. Nesse livro, vamos conhecendo a história dos órfãos abandonados a própria sorte, coletados (se é que se pode dizer assim) por pessoas de um grupo de caridade. 

Depois de ajuda-los com algumas coisas básicas: banho, roupa e uma bagagem mínima, os órfãos seguem para um trem, o trem dos órfãos. Nas paradas do trem, eles são apresentados as pessoas que queriam adota-los. 

Na verdade a adoção era informal, os órfãos normalmente iam ajudar a família nos negócios (fazendas, comércio) ou ajudar na lida da casa. Muitos eram abusados física e mentalmente por seus benfeitores. Histórias de tocar o coração. 

No livro acompanhamos de perto a história de Niamh (jovem irlandesa), mais tarde Doroty (nome mais fácil), mais tarde Vivian (nome adotado).

Paralelo a história de Vivian, vamos conhecer Molly. Molly perdeu o pai aos 8 anos e a mãe não teve condições de ficar com ela, estragada pelo uso de drogas e emprisionada pelo mesmo motivo.

Molly vai parar no sistema de assistência social dos Estados Unidos, onde muitos parentes adotivos, os foster care, se dispõem a acolher por um tempo (máximo de 2 anos) as crianças e adolescentes, e o governo colabora financeiramente para o sustento destes.

Molly vai de casa em casa, algumas famílias são disfuncionais, outras estão simplesmente interessadas no dinheiro do governo, outras são abusivas… no livro vamos percebendo a dificuldade de encontrar uma família ‘funcional’.

As histórias de Vivian e Molly se cruzam, e vemos uma bela amizade nascer entre elas. Mesmo a diferença de idade não impede que elas aprendam uma com a outra. Molly 17 anos, ama os livros e toda a modernidade dos aparelhos eletrônicos. Vivian, 91 anos, ama a tradição de um bom final de tarde tomando chá e apreciando o que ainda há pra viver.

Um bom livro!!! Para mim poderia ter sido um pouco mais longo, para explorar um pouco mais a amizade recém nascida, todavia super indico.



10 fevereiro 2015

O CÉU EXISTE MESMO ~ Todd Burpo & Lynn Vincent

Colton Burpo tinha quatro anos quando foi operado de urgência. Dois meses mais tarde, começou a falar daquelas breves horas em que esteve entre a vida e a morte, e da sua extraordinária visita ao céu. 

O seu relato está escrito no livro o Céu Existe Mesmo.

Em 2003 que o pequeno Colton, sentado na sua cadeirinha no banco de trás do carro, começou a falar sobre os anjos que o tinham visitado durante a operação de apendicite aguda... O pai, emocionado fez algumas perguntas ao filho e Colton respondeu sem demoras. Falou do que viu, dos seus encontros com Deus e com Jesus, com Maria, das visões que teve durante a cirurgia, da mãe e do pai a rezando enquanto ele era operado.


Um livro curtinho e que a leitura traz bom proveito para quem gosta desse tipo de literatura!!!

O Rei das Fraudes ~ John Grisham

A história mostra o universo das ações indenizatórias coletivas. Clay Carter é um advogado de 31 anos que trabalha na Defensoria Públic...