25 março 2015

E 30 anos depois...


Ama e faz o que quiseres; seja que te cales, cala-te por amor; seja que fales, fala por amor; seja que tu corrijas, corrige por amor; seja que tu perdoes, perdoa por amor ~ Santo Agostinho
Cresci em uma família cristã, com raízes fincadas em Canindé, cidade do Ceará, cujo Padroeiro é São Francisco. Ainda criança participei das festas religiosas da cidade: da Romaria, uma das mais antigas do Estado (com mais de 2 milhões de romeiros), da procissão dia 4 de outubro, e dos espetáculos teatrais retratando a vida de São Francisco. Lembro claramente de acordar ouvindo o sino da Basílica anunciando a missa e de passar o dia embalada pelo som do relógio da cidade recordando as horas. Tempos felizes!
A casa de minha família ficava repleta de parentes na época das festas religiosas. Mesa grande, comida farta feita no fogão à lenha, portanto mais saborosa. Minha tia Maria cozinhava com gosto e tinha uma bondade que atraia as pessoas.
Na hora de dormir, as redes se espalhavam pela casa e a conversa suave e descontraída era ouvida como música. Ocasionalmente contávamos com a presença dos não desejados visitantes morcegos. Normalmente eles ficavam mais “felizes” quando as luzes da cidade eram apagadas 22 horas pelo Sr. Jaime (meu futuro sogro). Eu ainda criança imaginava mil histórias com o “bicho papão” e não gostava do escuro, o que fazia do meu futuro sogro um “apagador de luz”, ou seja sem alguém que ao meu entender precisava esquecer essa profissão.
Desse tempo de criança, guardei na memória muita alegria da vida familiar, e foi essa memória que levei para Fortaleza, quando mudei de Canindé para estudar. Aguardava então com ansiedade as férias e as festividades religiosas para voltar a minha terra.
Em uma das férias, conheci o Guedes, meu futuro esposo. Os pais dele mandaram um saco de pipocas para nossa casa e o Guedes foi o portador. Chegou em uma bicicleta muito distinto na sua juventude e eu com 14 anos fiquei impressionada com a sua forma bondosa de tratar.  Nasceu uma paquera, um namoro, ao que minha mãe tratou logo de dar o contra, por receio que eu me descuidasse dos estudos.
Ao final das férias, voltei para a cidade de Fortaleza. Lá recebi uma carta datilografada do Guedes (datilografia era a digitação da época). “Estimada Terezinha, espero te rever, na Festa de São Francisco… Não fui ver sua saída, porque estava com visitas em casa, mas espero notícias suas, pela D. Maria, sua tia”…
Ah as coisas da juventude! Quando voltei à Canindé, Guedes havia ido embora da cidade… Rio de Janeiro, São Paulo, Natal… Ficamos 30 anos sem nos ver!
Guardei sua cartinha em meio a tantas outras. Namorei outra pessoa, ficamos noivos, e na véspera do casamento, uma jovem apareceu em minha casa com duas crianças… nem preciso entrar em detalhe. União desfeita, embora ele dissesse me amar, a exclusão desse fato, abalou minha confiança nele. Sofri, mas também fiquei aliviada de não ter casado antes de saber de tal fato, porque no casamento é bom ter confiança.
Visitando a mãe do Guedes, com minha tia Sinhá, reencontrei o Guedes, depois de 30 anos. Foi como se os anos não tivessem passado, estávamos os dois solteiros e com a responsabilidade de cuidarmos de nossas mães doentes. Retomamos a nossa conversa sem nenhuma dificuldade de comunicação e decidimos continuar o namoro. Digo continuar porque nunca terminamos de fato.
Minha mãe dessa vez aprovou o namoro, mas a mãe do Guedes não. Antes para não atrapalhar nosso futuro, agora para não modificá-lo.
Decidimos casar assim mesmo, conscientes de que nossa maturidade seria suficiente para acolher as tempestades e nossa vida de oração nos daria o animo necessário. Dia 24 de março de 2006 casamos. A mãe do Guedes não compareceu e deixou claro que me desaprovava.
Em 2009, ela adoeceu e a acolhemos na nossa casa, cuidamos, levamos a médicos, demos carinho e ela foi percebendo que eu e Guedes nos amávamos e a amávamos e não tinha porque ficar contra a nossa união.
Hoje somos todos parte da mesma família. Cuidamos uns dos outros, acolhemos a quem nos procura e vivemos com a certeza de que Deus não demora ele capricha.
~ Teresa Barros dos Santos ~

A Grande Ilusão ~ Harlan Coben

Um suspense surpreendente. O livro conta a história de Maya Stern piloto de operações especiais militares.  Maya sofre com as lembrança...